quinta-feira, 8 de novembro de 2012

ROTAS

Das minhas mãos partem
águas, rotas, destino errante;
da minha boca
soluços por naufragar,
ritmos, beijos sem regresso.
De mim, morrem amores,
rios e ternura desfeita.
Sou um ténue compasso
num piano desafinado.

Paula Raposo in ' o laço impenetrável do silêncio', pág.65 - Chiado Editora, 2012.
Foto de José Alex Gandum http://omeusofaamarelo.blogspot.com

3 comentários:

  1. Triste e ao mesmo tempo belo.
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. "Sou um ténue compasso
    num piano desafinado."
    E és muito mais do que isso, muito mesmo.

    ResponderEliminar